quinta-feira, 7 de agosto de 2008

Fácil explicar, difícil entender


A maioria das pessoas não consegue entender aquilo que foge ao senso comum. Infelizmente, a massificação atingiu tudo em proporções medonhas, inclusive àquilo que tange até a interpretação de emoções alheias.

Opinião é algo que precisa ser usada e expressa com moderação. Ninguém pode simplesmente impor seu modo de pensar ao outro. Cabe a cada um decidir o que é melhor pra si.

Os relacionamentos humanos estão cada vez mais sofrendo os efeitos da massificação. Tudo muito rápido, instantâneo... Sexo virou Fast-Food no sentido real da expressão.

Quando você não é mais uma dessas pessoas, prepare-se: todo o mundo vai te olhar torto. É como se fosse um verdadeiro Allien.

Uma grande amiga tem uma frase que diz: “aquilo que não se entende, certamente não merece ser entendido”, ou seja, nem tudo é pra todos.

Todo mundo procura a vida inteira um amor de verdade, mas poucos sabem vivê-lo quando o encontram.

O amor verdadeiro não faz nenhuma exigência. Amar é verbo, e a conjugação que é a transformação do verbo em emoção, é interpretada por cada um à sua maneira e vivida, portanto, de acordo com a sua necessidade.

O amor de que se fala tanto e o que mais se busca, é aquele que chamamos amor erótico, onde o contato físico, o beijo, o sexo, são essenciais para mantê-lo vivo. Mas esse amor tem dia marcado para morrer. Com o tempo, o desejo se transforma, perde a temperatura ficando morno, até que esfria. E quando isso acontece, se a base não for forte, o relacionamento rui e não sobra nada.

O melhor de tudo é quando você encontra alguém para amar, que recebe seu amor com cuidado, que não o trata como qualquer coisa. O amor pleno coloca o corpo em um status menos importante porque é a alma que ele aprecia. É a beleza do coração cheio de bondade, o bom-humor, o bem-estar, o carinho, o cuidado. É o compartilhar das alegrias e das aflições numa amizade tão plena e intensa que dispensa os complementos físicos, ainda mais porque isso tudo corre o risco de acabar um dia, enquanto aquilo que é não-físico tem o poder de permanência indeterminada.

O meu amor é assim. Não preciso que as outras pessoas além daquela a quem ele pertence o compreenda.

Se algo foge àquilo que sua mente considera normal, não diga nada, apenas respeite.

4 comentários:

MARTHA THORMAN VON MADERS disse...

Beleza de texto, só poderia vir de uma pessoa com a alma iluminada como a sua. Um grande abraço. espero você no meu blog, apareça por lá para deixa-lo mais lindo.Telefono segunda feira querida.

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Lindo texto, Fernanda. O amor-paixão acaba-se logo, mas o amor pleno que se dá de forma igual entre duas pessoas tende a durar para sempre. Fazia tempo que não vinha ao seu Blog, assim como faz tempo que vc não vem ao meu.
Fiz a resenha de um filme que acho que vc vai gostar. Apareça, será um prazer recebê-la:
wwwrenatacordeiro.blogspot.com
não há ponto depois de www
Um beijo, querida,
Renata Cordeiro

alessandropizano disse...

Beijos Fê. Alê Pizano

MARTHA THORMAN VON MADERS disse...

Você escreve com a alma.beijos. te ligo estou devendo esta. Estive fora, voltei hoje.Um grande beijo